Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Sreya | Bejaflor

Sreya | Bejaflor

Música & Festivais | Concerto

Galeria Zé dos Bois

Galeria
Classificação Etária
Maiores de 16 anos
Bilhete Pago
Todas as Idades
2020
abr
18
Realizado

Duração

180 minutos

Intervalo

Intervalo 15 min.

Promotor

Associação Zé dos Bois

Sinopse

Sreya apresenta "Cãezinha Gatinha" e Bejaflor apresenta "Bejaflor 2"

A Sreya faz canções de forma leve mas comprometida, numa mistura franca da realidade com uma muito própria fantasia. Depois de "Emocional" (2017) - canções worldbeat com melodias e linguagem tanto estranhas como familiares à música portuguesa, produzidas por Conan Osíris - chega "Cãezinha-Gatinha" (desta feita numa produção chefiada por Primeira Dama e colaborada por Bejaflor), um oceano pop desaguado por vários afluentes. O título "Cãezinha-Gatinha" nasce de uma aglutinação termos que Sreya usa para descrever a sua dualidade, um principio bastante presente na linguagem, sons, ambientes, cores e humores das suas criações artísticas: numa narrativa dividida em duas partes, "Cãezinha-Gatinha" terá, respectivamente, canções escritas enquanto uma temporada República Checa e outra metade composta já em Lisboa. “Do frio” é feito de uma aura densa e melancólica, na composição, na lírica ou até nos instrumentos escolhidos. Em “No calor” encontram-se músicas com energia mais alta, tempos mais acelerados e auras mais leves. Num disco marcado diversidade e consistência e pela tradicionalidade e modernidade, características tanto da Sreya como da pop, há um constante melancólico-alegre com um twist que passa da incerteza a um final feliz.

Bejaflor é uma pequena criatura vinda da floresta pop, onde pulsam ritmos quebrados, vozes e harmonias sintetizadas em canções pop alternativas, modernas e sofisticadas, em andamento electrónico e com influências do hip-hop. José Mendes, o nome por trás do pseudónimo do jovem produtor de 20 anos, estreou-se no final do verão e 2018 com o bem recebido o homónimo "Bejaflor". No Natal do mesmo ano editou uma beat tape - "Beatz" -, e em 2019 co-produziu com Co$tanza (companheiro na Maternidade e na Discos Volta e Meia) várias músicas para Chico da Tina e ainda meteu os dedos em trabalhos de colegas da Maternidade (Filipe Sambado, Sreya, Co$tanza) e da Discos Volta e Meia. Isto enquanto percorria as salas e festivais do circuito emergente lisboeta e trabalhava no "Bejaflor 2", editado em Fevereiro de 2020. Neste segundo EP, Bejaflor refinou com toda a bagagem de aprendizagem e colaboração as canções que tinha na gaveta da mesma altura em que fez o homónimo de estreia - daí o título, sempre explorando texturas e sonoridades de diferentes géneros em busca de uma nova forma de pop alternativa portuguesa.

Abertura de Portas

21h00

-
Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda:

Luís Severo (banda)

Música & Festivais | Concerto

Galeria Zé dos Bois

Galeria